Café com..., Livros

A Harmonia do Mundo [resenha]

8 de fevereiro de 2017
A Harmonia do Mundo Destaque 1

Sempre que reflito sobre a belíssima ordem que observamos no mundo, como cada coisa se origina de outra, sinto-me como se estivesse lendo um texto divino, escrito não com letras mas com objetos, que dissesse: “Homem, amplia tua razão, para que possas compreender”. – Citação de Johannes Kepler, presente em A Harmonia do Mundo, pág. 169.

A Harmonia do Mundo, do autor brasileiro Marcelo Gleiser, conta a história de dois personagens reais, são eles Johannes Kepler (1571-1630) e Michael Maestlin. Talvez, se você puxar na memória, se lembre do nome de Kepler sendo falado durante as aulas de ciências, e se puxar ainda mais, lembrará que ele foi um astrônomo brilhante em sua época e que deixou um valioso legado para a astronomia moderna. É graças à ele, que hoje sabemos que a órbita dos planetas é elíptica e não um círculo perfeito.

A narrativa da história gira em torno da vida de Johannes, mas alterna entre os pontos de vista dos dois personagens principais. O de Maestlin, já velho, passando a maior parte do seu tempo imerso nas recordações da época que viveu ao lado de Johannes, e o de Johannes, vivendo o seu tempo “presente”.

O livro inicia apresentando Maestlin, um velho astrônomo e professor, amargurado e consumido por arrependimentos. Ele que já sente no corpo todo o peso da idade, vive entre dois mundos, o real e aquele presente apenas em sua memória. E se martiriza por ter abandonado seu pupilo, Johannes em momentos difíceis.

Johannes, por sua vez, inicia sua jornada ainda como um jovem estudante de teologia na Universidade de Tübingen, na Alemanha. Romântico e sonhador incurável, mas acima de tudo fascinado pelo conhecimento, teve suas ideias questionadas desde o início, a começar pelos seus próprios mestres, incluindo Maestlin.

A Harmonia do Mundo Páginas

Ambos muito religiosos, cristãos protestantes para ser mais exata, acreditavam que o divino regia o universo, que pertencia a Deus todas as respostas para o funcionamento do cosmos, ainda que elas permanecessem um mistério para a humanidade. Para Maestlin, a astronomia se prestava apenas para o estudo e registro dos movimentos dos corpos celestes, jamais para entender as causas físicas presentes nesses movimentos. As divergências entre mestre e pupilo começavam por aí, Johannes era curioso e apaixonado demais para ser um mero observador, ele ansiava pela possibilidade de olhar para o céu e ser capaz de descobrir seus segredos. Além disso, Johannes não conseguia aceitar a ideia do geocentrismo de Ptolomeu difundida na época, para ele, o sistema de Copérnico é o que deveria estar correto, o Sol só poderia estar no centro, com os planetas orbitando ao seu redor. Uma convicção que lhe trouxe muita dor de cabeça durante um bom tempo.

Ainda no início do livro, Johannes que sonhava tornar-se um pastor luterano, é indicado por seus mestres para a função de professor e matemático oficial da província da Estíria. Apesar de receber a oferta com resistência, acaba cedendo e parte de Tübingen para a cidade de Graz, na Estíria, onde também exercerá uma terceira função importante para a província, a de astrólogo.

Para completar, este era um período de conflitos incessantes entre cristãos católicos e protestantes, criando uma situação extremamente sensível e instável por boa parte da Europa. Mas apesar de viver inúmeros momentos delicados, sua paixão pela busca de conhecimento, pela harmonia que rege o universo, não se apaga, ao contrário, persevera mesmo quando tudo dá errado.

A Harmonia do Mundo Lombada

Na nota do autor, Marcelo Gleiser, conta que todos os eventos presentes no romance são factuais – realmente aconteceram  – com exceção daqueles que envolvem dois únicos personagens fictícios. Para escrever o livro, Gleiser teve acesso à casa de Kepler na Alemanha e também à livros raros da Universidade de Tübingen e manuscritos originais dos séculos XVI e XVII, da biblioteca do mosteiro de Strahov, em Praga.

Título: A harmonia do mundo: aventuras e desventuras de Johannes Kepler, sua astronomia mística e a solução do mistério cósmico, conforme reminiscências de seu mestre Michael Maestlin
Autor: Marcelo Gleiser
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2006
Páginas: 327


A harmonia do mundo - Marcelo GleiserSobre o autor:

Marcelo Gleiser, nascido em 1959 no Rio de Janeiro, doutorou-se em física teórica pelo King’s College da Universidade de Londres. Depois de atuar como pesquisador no Fermilab, nos arredores de Chicago, e no Instituto de Física Teórica da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, é hoje professor de física e astronomia do Dartmouth College, em New Hampshire. Pela Companhia das Letras, publicou A dança do Universo, O fim da Terra e do Céu (ambos ganhadores do prêmio Jabuti), Retalhos cósmicos e O livro do cientista.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

No Comments

Leave a Reply